LEUCOGRAMA OU SÉRIE BRANCA

O leucograma é a segunda parte que compõe o hemograma e avalia os leucócitos ou glóbulos brancos, células que constituem uma importante parte do sistema de defesa, e é através desse exame, que é possível identificar processos inflamatórios. O exame é automatizado, onde primeiramente é realizada uma contagem total e em seguida, uma contagem diferencial dos seis leucócitos abaixo:

  • Neutrófilo (Bastonetes e Segmentados);

  • Eosinófilos;

  • Basófilos;

  • Linfócitos;

  • Monócitos.


Eritrograma ou série vermelha - primeira parte do hemograma

Os resultados são liberados em por milímetros cúbicos (mm³).


Valores de referência

  • Adultos - 3.600 a 11.000 /mm³;

  • Crianças (menores de 8 anos) - 4.000 a 14.000 /mm³.


Após os resultados, caso existam alterações, os seguintes termos são utilizados:

  • Leucocitose: aumento na contagem total de leucócitos;

  • Leucopenia: diminuição na contagem total de leucócitos.


Quando identificado uma alteração nos valores, é necessário verificar quais das seis linhagens é responsável por esse acontecimento.


Casos de leucocitoses com grandes elevações pode ocorrer nas leucemias, onde diferente dos processos infecciosos, os valores podem chegar facilmente a 50.000 /mm³. Já leucopenias, podem ser em identificadas normalmente em lesões na medula óssea.



CONTAGEM DIFERENCIAL DE LEUCÓCITOS


NEUTRÓFILOS


Células mais abundantes na circulação sanguínea e possuem como especialização o combate as bactérias. Os resultados podem ser liberados em porcentagem ou por milímetros cúbicos (mm³).


No leucograma, a contagem de neutrófilos são divididos em:


BASTÕES/BASTONENTES: neutrófilos jovens encontrados normalmente em infecções agudas.


Valores de referência

  • Adultos - 0 a 5% | 0 a 550 mm³;

  • Crianças - 0 a 6% | 0 a 450 mm³.


SEGMENTADOS: neutrófilos maduros encontrados normalmente em pacientes saudáveis ou em fase final de alguma infecção. São os mais abundantes na circulação.


Valores de referência

  • Adultos - 40 a 70% | 1.480 a 7.700 mm³;

  • Crianças - 30 a 64% | 1.200 a 9.600 mm³.


Após os resultados, caso existam alterações, os seguintes termos são utilizados:

  • Neutrofilia: aumento na contagem de neutrófilos;

  • Neutropenia: diminuição na contagem de neutrófilos.


Quando existe um aumento na contagem de bastões, é denominado neutrofilia com "desvio a esquerda", devido sua posição na linhagem dos neutrófilos.


EOSINÓFILOS


São células responsáveis por combater parasitas e também estão envolvidas em processos alérgicos e asmáticos. Os resultados podem ser liberados em porcentagem ou por milímetros cúbicos (mm³).


Valores de referência

  • Adultos - 0 a 7% | 0 a 550 mm³;

  • Crianças - 0 a 5% | 0 a 550 mm³.


Após os resultados, caso existam alterações, o seguinte termo é utilizado:

  • Eosinofilia: aumento na contagem de eosinófilos.


O termo eosinopenia não é utilizado, pois é normal não encontrar nenhum eosinófilo na contagem.



BASÓFILOS


São os tipos de leucócitos menos encontrados na circulação, porém seu aumento está relacionado a processos alérgicos e inflamações crônicas. Os resultados podem ser liberados em porcentagem ou por milímetros cúbicos (mm³).


Valores de referência

  • Adultos - 0 a 2% | 0 a 220 mm³;

  • Crianças - 0 a 1% | 0 a 300 mm³.


Após os resultados, caso existam alterações, o seguinte termo é utilizado:

  • Basofilia: aumento na contagem de basófilos.


O termo basopenia não é utilizado, pois é normal não encontrar nenhum basófilo na contagem.


Figura 1: Resultado do hemograma. Fonte: Medeiros, 2020.



LINFÓCITOS


Assim como os neutrófilos, os linfócitos são abundantes na circulação sanguínea e estão envolvidas no combate de infecções virais e processos tumorais. Também são responsáveis pela produção de anticorpos, pois são as células que dão inicio a ativação do sistema imune. Os resultados podem ser liberados em porcentagem ou por milímetros cúbicos (mm³).


Valores de referência

  • Adultos - 20 a 50% | 740 a 5.500 mm³;

  • Crianças - 38 a 70% | 1.520 a 10.500 mm³.


Após os resultados, caso existam alterações, os seguintes termos são utilizados:

  • Linfocitose: aumento na contagem de linfócitos;

  • Linfocitopenia: diminuição na contagem de linfócitos.


A linfocitopenia é comum em pacientes com SIDA/HIV, pois o vírus ataca os linfócitos, ocasionando a imunossupressão nesses pacientes.

Existe um tipo de linfócito, conhecido como linfócito atípico, que possuem uma morfologia diferente dos que conhecemos. Geralmente são encontrados em quadros de infecção viral, como por exemplo, a mononucleose. Além das infecções, doenças auto-imunes ou a utilização de algumas drogas, podem estimular o surgimentos desses linfócitos, porém são visualizados e quantificados na contagem manual.



MONÓCITOS


São células que podem ser ativadas em infecções virais e bacterianas, principalmente em quadros crônicos, como por exemplo, a tuberculose. Os resultados podem ser liberados em porcentagem ou por milímetros cúbicos (mm³).


Valores de referência

  • Adultos - 3 a 14% | 37 a 1.500 mm³;

  • Crianças - 3 a 14% | 40 a 1.700 mm³.


Após os resultados, caso existam alterações, os seguintes termos são utilizados:

  • Monocitose: aumento na contagem de monócitos;

  • Monocitopenia: diminuição na contagem de monócitos.



REFERÊNCIAS


RODRIGUES, A. B.; OLIVEIRA, P. P. Hemoterapia e Hematologia: Conceitos essenciais para a assistência. São Paulo: Rideel, 2017.







11 visualizações

Assine nossa newsletter e fique por dentro!

  • Ícone cinza LinkedIn
  • Instagram
  • Facebook

CONTATO:

(61) 98166-9954

E-mail: anvieducacao@gmail.com

Todos os direitos reservados © 2020 por ANVI EDUCAÇÃO. CNPj: 33.100.241/0001-61